domingo, 13 de novembro de 2011

Biografia recupera saga de Rin Tin Tin, cachorro astro de Hollywood no século XX




Rin Tin Tin escrevendo sua autobiografia? Não, respondendo a cartas de fãs, em 1938

IVAN FINOTTI

Foi num canil semidestruído de um acampamento alemão, num vale francês, em 1918, que o soldado americano Lee Duncan encontrou cinco filhotes, cegos e famintos, de uma raça estranha, que ele nunca tinha visto.
Pastores alemães, afinal, haviam sido desenvolvidos apenas 15 anos antes por um nobre prussiano, que depois convencera o Exército sobre sua utilidade nos campos de batalha da Primeira Guerra.
Eram tão raros que, dez anos antes de Duncan entrar naquele canil, um pastor alemão havia sido vendido nos EUA por US$ 10 mil (algo como R$ 380 mil hoje).
Essa é uma das histórias contadas pela jornalista Susan Orlean em seu mais recente livro, "Rin Tin Tin - The Life and Legend" (a vida e a lenda), uma biografia do cachorro mais popular do mundo no século passado.
"Escolhi Rin Tin Tin porque sua história cobria um enorme período de tempo e porque envolvia muitos temas culturais, como a evolução de Hollywood nos anos 20 e 30 ou a forma como vivemos como animais", disse Orlean, em entrevista à Folha.
Rin Tin Tin explodiu nos anos 1920 por causa do cinema. Foram quase 30 filmes em dez anos, em sua maioria mudos.
Nomes como "O Defensor Solitário" (1930), "Mandíbulas de Prata" (1927) e o clássico "Batalha de Lobos" (1925) dão uma boa ideia do sentido aventuresco da coisa.
Mas espetacular mesmo é saber que o cão atuava tão bem que foi eleito melhor ator no primeiro Oscar, em 1929.
Ganhou, mas não levou, já que a nascente Academia de Hollywood estava ansiosa por parecer uma instituição séria. Assim, o Oscar foi para Emil Jannings, um humano.
O primeiro Rin Tin Tin morreu em 1932, aos 14, e Lee Duncan logo o substituiu por herdeiros, que chegaram aos anos 50, quando o cão já parecia esquecido para sempre.
Mas a TV o ressuscitou na série "As Aventuras de Rin Tin Tin". Dessa vez, o cão atuava ao lado de um órfão adotado por soldados em luta contra os apaches. Foi uma nova onda canina mundial.
Talvez o livro de Orlean ganhasse se ela não escrevesse tanto sobre suas próprias memórias de Rin Tin Tin e sobre sua pesquisa para o livro.
Outro ponto, levantado pela crítica (leia abaixo), é que Susan se apegou ao cachorro e ajudou a mitificá-lo, em vez de biografá-lo de uma forma mais isenta. "Discordo, porque acho que me apeguei às histórias apenas", rebate.
Seja como for, Susan Orlean se apega mesmo aos bichos: "Sempre achei que fosse do tipo que gosta de cachorro. Então peguei uns gatos e descobri que realmente gostava muito deles. Mas talvez eu seja fã de animais em geral, já que também tenho galinhas, perus, galinhas-d'angola e vacas".


Autora descamba para escrita pretensiosa e 'contundente'
MICHIKO KAKUTANI
DO “THE NEW YORK TIMES”
Ele foi um astro do cinema mudo e uma estrela da TV, com cerca de 40 milhões de fãs e muitos contratos de merchandising. "Rin Tin Tin" talvez tenha sido a franquia canina mais famosa do mundo.
Em um livro embevecido e algo exagerado, Susan Orlean tece um relato detalhado da vida e dos tempos de "Rinty", além de tentar desconstruir sua popularidade.
A história do Rin Tin Tin original e de seu amoroso dono possui o apelo simples de uma balada folclórica ou história infantil. Mas esse volume não tem o suspense de um "Seabiscuit" (2001) -uma das grandes biografias de animais dos últimos anos.
O pior é que, quando Orlean procura explicar a mitologia que cerca Rinty, descamba para uma escrita pretensiosa e "contundente".
A que se devia a atração de Rinty? A autora o descreve, com eloquência, como moreno, "de focinho esbelto, com patas inesperadamente delicadas e expressão solene e resignada de existencialista".
Com esse livro sincero, a despeito de seus excessos bombásticos pontuais, Orlean se esforçou para inflar o mito de Rinty. Ela o converteu em lenda.

RIN TIN TIN: THE LIFE AND THE LEGEND
AUTOR Susan Orlean
EDITORA Simon & Schuster
QUANTO US$ 15 (no site da Amazon; 324 págs.)
Tradução de CLARA ALLAIN


Blog do Johnnyon

Nenhum comentário:

Postar um comentário